Quem sou eu



Sou Adi Leite, jornalista, fotógrafo, acupunturista, coaching com especialização em psicologia positiva. Trabalhei durante quase trinta anos para os principais veículos de comunicação impressa do Brasil como repórter fotográfico, fotógrafo
e editor de fotografia. Durante um período de dois anos fui professor universitário lecinando fotojornalismo, linguagem fotográfica e fotografia.

Há cinco anos venho construindo uma nova trajetória focada no desenvolvimento de pessoas, organizações e comunidades.

No final de 2014 eu tinha uma empresa de prestação de serviços de fotografia atendendo indústrias de grade porte. Fotografava processos industriais, instalações e produtos.

A falta de sentido no que eu fazia me empurrava cada vez mais para a busca de um novo caminho que não sabia exatamente qual seria. Contudo a conjuntura econômica do país em 2015 me ajudou a tomar uma decisão. Diante da crise e da consequente
diminuição no fluxo de trabalho, decidi explorar novos caminhos. Nessa busca veio a fomação em coaching e a descoberta de uma habilidade desconhecida, no meio do percurso a necessidade de conhecimento me levou a formação em medicina
tradicional chinesa, depois veio a especialização em psicologia positiva me ajudando a construir a metodologia e o programa Reativação de desenvolvimento totalmente fundamentado na experiência obtida durante os primeiros cinco
anos de atividade nessa área.






Sobre




“Alguns clientes me classificam como consultor, outros me colocam entre a terapia e o coach. Outras pessoas, ainda, me relacionam ao universo de metodologias como o life design, ou life hacking. Contudo, o que faço, na verdade,
é fomentar a experiência que constrói o relacionamento perfeito entre a vida pessoal e o desenvolvimento profissional gerando resultados efetivos.”



REATIVAÇÃO é uma extraordinária metodologia de florescimento sistêmico, desenhada para construir soluções aos desafios complexos que determinam a interdependência entre a realização pessoal e o desenvolvimento profissional através
de uma intensa jornada de autoconhecimento. O processo permite uma aceleração de resultados de forma real e mensurável em 12 semanas.                     

Alguns clientes me classificam como consultor, outros me colocam entre a terapia e o coach. Outras pessoas, ainda, me relacionam ao universo de metodologias como o life design, ou life hacking. Contudo, o que faço, na verdade,
é fomentar a experiência que constrói o relacionamento perfeito entre a vida pessoal e o desenvolvimento profissional gerando resultados efetivos.

Acredito que a compreensão da interdependência entre o universo pessoal, o mundo externo e seus desdobramentos, é a coisa mais fundamental para vida na atualidade.

Nos equivocamos quando tratamos pessoal e profissional de forma separada.

O programa contempla três movimentos distintos e integrados:

Diagnóstico:

Caracterizado pela intensa atividade de avaliações e investigação profunda sobre o estado de forças, fraquezas e suposições, colocando o indivíduo frente a frente com o tamanho real do desafio a partir do seu ponto de origem. Estabelece,
portanto, a necessidade do fortalecimento interno e determina as ações necessárias para construção do auto reposicionamento.

Missão:

É o posicionamento em si. Envolve os valores determinantes para o aprofundamento e o comprometimento com as razões pelas quais o indivíduo se posiciona no presente.

Constrói um inventário das habilidades e conexões necessárias para colocar em perspectiva um road map sistêmico determinando objetivos, metas e ações necessárias dispostas numa linha de tempo.

Autoliderança:

É o desenho da tomada de decisão. Envolve uma avaliação de riscos e a possível consequência dos erros sistêmicos cometidos durante o processo. 

Estabelece a consciência do comprometimento, da responsabilidade, do desenho da ação, da métrica dos resultados, da recompensa desejada, e dos impactos gerados.

Acredito na abordagem sistêmica e minha experiência mostra que todos os processos de transformação bem sucedidos começam com a consciência do corpo. Desta forma, como estratégia fundamental de fortalecimento interno no caminho do autoconhecimento,
utilizo ainda a prática da meditação em variações do vipássana, mindfulness e zhuan zhong.

Meu aprendizado me revela que o ser humano tem um profundo desejo de transformar a vida, acreditando nisso como uma recompensa fundamental do trabalho. 

Quando a percepção da recompensa não acontece, há uma restrição da visão. 

A obsessão pelo problema se transforma em matéria de reclamação e tudo em volta do indivíduo começa a ser impactado de forma negativa, afetando inclusive, os relacionamentos pessoais.

Através da aplicação da metodologia Reativação observo que a simples mudança na dinâmica do comportamento, através da consciência estabelecida no diagnóstico, amplia o campo de visão criando a possibilidade do foco na busca de soluções.

Assim, a capacidade de realizar, deixa de ser uma probabilidade, para alcançar uma disposição fundamentada no autoentendimento do significado de estar presente e encarar a si mesmo enfrentando o que for preciso para transformar.

Nesses cinco anos de construção da metodologia e do programa Reativação, tive a oportunidade de trabalhar com diferentes demandas vindas de artistas, escritores, jornalistas, ceos, ccos, economistas, gerentes, empreendedores e diretores
de ongs.

Uma das coisas mais importantes que aprendi observando estas pessoas é que o tempo é o ativo mais valioso da vida. 

Por esta razão, quando aplicamos o método reativação, seja online ou presencial, seja em grupo ou individual, o nosso maior investimento, além de estar presente é desenvolver nos indivíduos a consciência da importância do agora. 

Entendendo que, mais do que a construção de resultados, o investimento na ampliação da visão do ser humano é o fundamento da nossa missão.