A pandemia da Covid-19 colocou em evidência o protagonismo do sistema imunológico juntamente com a percepção de que algo precisaria ser modificado na forma como habitamos a terra. Coincidência ou não, o combate à pandemia impôs um série de mudanças estruturais impactando de forma inédita a maneira como vivemos. Muitas mudanças começaram acontecer em nossas vidas sem que pudéssemos opinar a respeito.

                A desestruturação foi tão grande que passamos a acreditar que seu final resultaria numa forma mais consciente e a harmoniosa de viver. Não sabemos quando a pandemia vai acabar, portanto, ainda corremos um grande risco. Não o risco da doença em si. Mas, o de continuar repetindo o modelo que nos trouxe até aqui.

                Repetir o modelo é uma escolha. A consequência pode ser a inviabilidade da vida.

                Sabemos que o desafio da mudança não implica apenas na coragem, a complexidade com a qual lidamos nesses processos envolve muito mais questões e por isso é tão difícil decidir mudar.

Imunidade à mudança

             No livro Imunidade à Mudança, os pesquisadores, Robert Kegan e Lisa Lahey exploram a existência de um sistema imunológico criado pela mente. O professor Kegan parte de um entendimento onde existem duas categorias de ideias. A ideia que nós temos e a ideia que nos têm.

A ideia, ou as ideias que nos têm, são produtos da associação de nossas crenças individuais com as crenças coletivas que nos rodeiam. Esta equação resulta numa espécie de sistema imunológico que controla nossa capacidade de fazer mudanças. Este sistema imunológico funciona como uma rede de proteção fundamentada no que os pesquisadores chamam de As Grandes Suposições.

             As Grandes Suposições são a estrutura das ações que fazemos para nos tirar dos nossos processos de mudança ou até dos nossos objetivos, portanto, As Grandes Suposições funcionam como o fundamento básico da Imunidade à Mudança..

Mapa de Imunidade

   No conjunto da teoria os autores criaram um quadro de trabalho chamado de mapa da imunidade. Este quadro nos ajuda a fazer um raio-x da nossa relação com as mudanças, sejam elas por necessidade própria ou exigência externa.

           Dividida em quatro colunas, deve ser preenchida da esquerda para a direita na sequência. Na primeira coluna, Comprometimento, você vai preencher com a realização que alcançará com a mudança desejada.

  A segunda coluna, é a coluna da Ação(o que eu faço), você deve preencher com as ações que tiram você do caminho para alcançar a realização da mudança.

  Na terceira coluna, a mais instigante, você é convidado a se aprofundar nos comprometimentos contrários aos seus desejos. Aqui você pode relacionar quais são suas  preocupações quando pensa na mudança.

        A quarta coluna está intimamente ligada a terceira e tem a finalidade de revelar o que está por trás das nossas preocupações. Ou seja, o que você acha que pode acontecer de errado se você alcançar o objetivo.

  O resultado é um exercício de autoconhecimento que gera um fortalecimento estratégico para colocarmos em prática as mudanças sistêmicas impostas pelos ciclos da vida.

COMPROMETIMENTO  AÇÃO (o que eu faço)CONCORRÊNCIA Comprometimentos opostosGRANDES SUPOSIÇÕES
  Preocupações 

Transformando insights em ação

              Mantenha papel e caneta ao seu lado, conforme for lidando com a ferramenta, se tiver insights, tome nota. Depois, releia os insights com atenção, escolha aqueles que gostaria de transformar em ação. Crie uma lista, e determine um tempo para cada ação, determine também o resultado que gostaria de obter.

Faça um balanço final, escreva quais ações deram resultado explicando o que fez com que esse resultado acontecesse. Da mesma forma relacione as ações de não deram resultado e explique o que fez com que elas falhassem. Se ainda fizer sentido retome as ações falidas e recomece buscando superar os erros cometidos.

            Importante observar que o resultado é uma oportunidade para entendermos como nossa mente funciona. E assim, colocarmos em perspectiva as conquistas que desejamos.

            Nesse sentido será vital acrescentar às nossas intenções, ações que beneficiem a todos os seres vivos, sem distinção.

            Feliz Ano Novo.

#

One response

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.